COORDENADORA
FLORA RURAL

Anabela Belo

Prof.ª Auxiliar. Doutorada em Biologia pela Universidade de Évora, onde também leciona nas áreas da Botânica e da Conservação da Diversidade Vegetal. Contribui para o projeto LIFE_LINES com os seus conhecimentos na área da conservação da diversidade vegetal, nomeadamente na conservação ex-situ de sementes, já que é responsável pela constituição de um banco de germoplasma iniciado com uma coleção de sementes das espécies dos Charcos Temporários Mediterrânicos portugueses. As suas atividades de I&D centram-se na conservação e valorização da vegetação autóctone, nomeadamente em agroecossistemas como o olival ou o montado, e no efeito que a gestão da vegetação pode ter a jusante, sobre a conservação do solo, da água e da biodiversidade animal.

COORDENADOR DE PROJETO
COORDENADOR MODELAÇÃO/SIG,
MAMOFAUNA E AVIFAUNA

António Mira

Doutorado em Biologia (ramo de Ecologia e Biossistemática) pela Universidade de Lisboa. Em 1997 ingressou no Departamento de Biologia da Universidade de Évora onde tem lecionado unidades curriculares nas áreas da conservação e gestão da biodiversidade, ecologia de estradas e ecologia de mamíferos, sendo o responsável pela Unidade de Biologia da Conservação. É investigador da “Rede de Investigação em Biodiversidade e Biologia Evolutiva” no Grupo de Ecologia das Populações e das Comunidades Aplicada, onde desenvolve trabalhos no âmbito da conectividade da paisagem, fragmentação de habitats, conservação de metapopulações e avaliação/mitigação dos impactes de infraestruturas lineares.


COORDENADORA
HABITATS

Carla Pinto Cruz

Doutorada em Biologia pela Universidade Técnica de Lisboa. Desde 1997 é docente do Departamento de Biologia da Universidade de Évora e membro do Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas (ICAAM). Desempenha desde 2002 as funções de curadora do herbário da Universidade de Évora. A sua atividade de investigação tem sido focada na biologia da conservação, na dinâmica e ecologia das comunidades vegetais mediterrânicas, nomeadamente na conservação e recuperação de charcos temporários mediterrânicos. Atualmente, destaca-se a coordenação científica o projeto LIFE Charcos (LIFE12 NAT/PT/000997), que que visa a conservação gestão e recuperação do habitat prioritário, charcos temporários Mediterrânicos.

COORDENADOR
INVERTEBRADOS

Diogo Figueiredo

Ele é professor titular da Universidade de Évora, onde leciona Ciências Biológicas e ocupa a Cadeira de Entomologia. Entre a sua ampla gama de interesses, ele gostaria de enfatizar os seguintes temas: Conservação de Invertebrados, Ecologia e Gestão de Vida Selvagem. Ele foi duas vezes vice-diretor para assuntos académicos e de investigação nesta mesma instituição. Desde 2006, ele tem sido responsável para as relações entre PALOP's (Países Africanos de Português como língua oficial) e da Universidade de Évora. Atualmente, ele está desenvolvendo vários projetos na África nas áreas de Conservação e Meio Ambiente, e ele é o Director Chefe do Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Metodista de Angola (universidade local).

TÉCNICO
MODELAÇÃO/SIG/BASE DE DADOS

Francesco Valerio

Obteve em 2013 o graú de Mestre em Conservação da Natureza, em Ciência e Tecnologia pela Natureza e Ambiente. Nos últimos anos tem participado activamente em dois Projetos LIFE+ diferentes (ambos sobre ManFor CBD). No primeiro projeto graças à sua tese de Mestrado foi envovlido um modelo para uma espécie de morcego em que se testou a sua suitabilidade no futuro perante diferentes cenários. No outro projeto contribuiu com o desenvolvimento de uma análise multi-espécie para espécies de aves ameaçadas em dois SIC de forma a indentificar ações de conservação locais e elaborar propostas de espanção dos limites destas áreas protegidas. Presentemente tem se focado nas áreas de ecologia da paisagem, no desenvolvimento de modelos de distribuição de espécies e conectividade, e fazendo a sua integração com ecologia espacial, e no estudo de padrões de distribuição. O seu objetivo no projeto LIFE LINES é identificar os corredores utilizados preferencialmente pelos animais de forma a localizar os melhores locais para a implementação de medidas mitigadoras.

COORDENADORA
GESTÃO FINANCEIRA

Liliana Rosmaninho

Licenciada em Informática e Gestão e com Pós-graduação em Contabilidade e Auditoria pela Universidade de Évora. Em 2008 ingressou na Universidade de Évora onde tem desenvolvido tarefas de Gestão administrativa e financeira de projetos de investigação, funções técnicas no âmbito da contabilidade pública em particular do POC-Educação e utilização de software de apoio à gestão administrativa e financeira e manutenção informática de um sistema de informação com vista à divulgação de informação pertinente para os utentes dos serviços. Tem experiência em projetos nacionais e internacionais, nomeadamente, Fundação para a Ciência e Tecnologia, 7ºPQ, H2020, LIFE, QREN, Lifelong Learning, Erasmus Mundus.

TÉCNICO
FAUNA-ANFÍBIOS

Luís Guilherme Sousa

Licenciado em Biologia e Mestre em Biologia da Conservação ambos pela Universidade de Évora. Tem desenvolvido trabalhos de amostragem, investigação e conservação da fauna portuguesa (principalmente anfíbios e répteis). Anteriormente foi bolseiro no Projeto LIFE+ “Conservação de Charcos Temporários na Costa Sudoeste de Portugal”. Tem como passatempo principal a identificação e documentação fotográfica da diversidade biológica de Portugal. Como bolseiro deste projeto ficará responsável pelas amostragens de anfíbios e répteis, implementação das medidas mitigadoras da sua mortalidade e pela avaliação das mesmas. Para além disso prestará apoio a todos os trabalhos realizados no projeto.

COORDENADORA
FLORA

Maria Paula Simões

Prof.ª Auxiliar. Doutorada em Biologia pela Universidade de Évora, onde desenvolve as suas atividades de docência e investigação. É docente do Departamento de Biologia, integra a comissão de curso do Mestrado em Biologia da Conservação e é responsável pelo Laboratório de Biologia Vegetal. É investigadora e vice-diretora do Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas – ICAAM – e responsável pelo Laboratório de Botânica. Desenvolve atividades de docência e investigação nas áreas da Fitodiversidade, da Conservação da Flora e Vegetação e da Ecofisiologia Vegetal, na perspetiva da conservação do valor natural e da ecointegridade dos ecossistemas, designadamente dos agroecossistemas ibéricos, como o montado. No projeto LIFE_LINES participa no planeamento, implementação e monitorização das ações de promoção e conservação da flora e vegetação.

TÉCNICA
FLORA

Mariana Fernandes

Licenciada em Biologia pela Universidade de Évora e mestre em Biologia da Conservação pela mesma instituição. A dissertação versou sobre a “Avaliação do Estado de Conservação de Charcos Temporários Mediterrânicos no Sítio Costa Sudoeste” baseando-se na diversidade de flora dos mesmos. Como bolseira de investigação do presente projeto apoia e integra a equipa responsável pela componente da flora.

TÉCNICA DE CAMPO
INVERTEBRADOS

Otília Miralto

Mestre em Gestão de Recursos Biológicos pela Universidade de Évora (2000) com especialização em entomologia. Em 2003 ingressou como Técnica Superior no Departamento de Biologia da Universidade de Évora onde tem participado como investigadora e integrado equipas em áreas sensíveis de pedreiras (SECIL Outão, SECIL Maceira/Pataias), barragens (Alqueva e Pedrógão) e Sítios de Rede Natura 2000 (Serra de Monfurado e Serra da Arrábida). No âmbito desses projectos desenvolve trabalhos de monitorização de Macroinvertebrados que incidem essencialmente sobre as comunidades de Ropalóceros, Carabídeos e Odonata.

COORDENADOR
ANFÍBIOS

Paulo Sá Sousa

Professor do Departamento de Biologia da Universidade de Évora e sócio fundador da Sociedade Portuguesa de Herpetologia. Membro do grupo de investigação em "Ecologia Aplicada das populações e das Comunidades " do Instituto de Ciências Agrárias e ambientais Mediterrânicas. Nos últimos cinco anos, tem investigado três temas principais: (1) Efeito do pastoreio e das actividades agroflorestais na composição da comunidade de répteis. Estuda-se como as lagartixas fazem mudanças de micro-habitat em resposta á degradação da estrutura do coberto arbustivo; (2) Ecologia de anfíbios em Charcos Temporários Mediterrânicos. Pretende-se estipular um índice ecológico tendo como base a composição e abundância relativa da comunidade batracofaunística que utiliza os charcos; (3) Efeitos das rodovias na mortalidade de anfíbios. Relacionam-se as características biofísicas da paisagem e a estrutura das estradas com os eventos de atropelamento de anfíbios que as atravessam.

TÉCNICO

Pedro Costa

Graduei-me em Biologia da Conservação na Universidade de Évora com a tese de mestrado: “Factores determinantes do uso do espaço e localização de tocas de lontra (Lutra lutra L.) em ambientes mediterrânicos”. De 2010 até ao presente tenho trabalhado em diversos projectos de investigação relacionados com: a forma como as propriedades da mancha e matriz afectam a ocorrência local de cricetídeos ao longo de um gradiente de intensificação agrícola [PERSIST (PTDC/BIA-BEC/105110/2008)], os impactos do clima e dos usos do solo na distribuição biológica à escala da paisagem [“Biodiversity Conservation in a changing world (IC&DT Nº 1/SAESCTN/ALENT-07-0224-FEDER-001755)], os impactos das linhas férreas nos vertebrados terrestres em paisagens mediterrânicas ["Plano de Monitorização de Fauna na Linha do Sul, variante ferroviária entre a estação do Pinheiro e o km 94"], e a persistência metapopulacional como resposta à estrutura das redes de habitat e à composição da matriz envolvente [NETPERSIST(PTDC/AAG-MAA/3227/2012)]. Os meus principais interesses de investigação são a biologia da conservação e a ecologia da paisagem, nomeadamente: perda e fragmentação de habitat em passagens agrícolas, impacto das infraestruturas humanas na fauna, e conservação e gestão de espécies (particularmente morcegos e carnívoros).

TÉCNICO
AVES

Rui Lourenço

Licenciado em Biologia Aplicada aos Recursos Animais Terrestres pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e doutorado em Biologia pela Universidade de Évora. Tem trabalhado sobretudo com aves de rapina, em projetos de conservação e de investigação no Centro de Estudos da Avifauna Ibérica, na Universidade de Évora e na Estação Biológica de Doñana (EBD-CSIC, Espanha), nomeadamente sobre o efeito das estradas e outras infra-estruturas nas aves de rapina. Atualmente, é bolseiro de pós-doutoramento no Laboratório de Ornitologia (LabOr) do Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas (ICAAM, Universidade de Évora), colaborando com a EBD e a Universidade de Turku (Finlândia). É um dos coordenadores do Grupo de Trabalho sobre Aves Noturnas da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (GTAN-SPEA).

TÉCNICA
MAMÍFEROS E AVES

Sara M. Santos

Mestre em Biologia da Conservação pela Universidade de Évora (2003) e doutorada em Biologia (ramo Ecologia) pela Universidade de Lisboa (2010). Alguns dos seus trabalhos iniciais focam a relação espacial entre estradas e pequenos mamíferos. Atualmente, é investigadora de Pós-doutoramento da “Rede de Investigação em Biodiversidade e Biologia Evolutiva” no Grupo de Ecologia Aplicada, onde tem desenvolvido trabalhos sobre métodos de quantificação e amostragem da mortalidade de fauna em estradas e sobre alterações da conectividade da paisagem causadas por infraestruturas lineares.