Guiões de Boas Práticas

Com o aumento da rede viária em Portugal nas últimas décadas, os atropelamentos de fauna são uma consequência cada vez mais presente no nosso quotidiano. Em algumas zonas do país, esta é a principal causa de morte não natural das espécies de fauna. A obtenção da informação relativa aos atropelamentos, como a espécie e sua localização, é então crucial para que se possa determinar as suas causas e definir medidas preventivas e de minimização destes eventos.

O presente guião de boas práticas pretende reunir e divulgar os procedimentos inerentes à recolha e processamento de informação relativa a observações de fauna atropelada, tendo como base a experiência adquirida ao longo do projeto LIFE LINES (LIFE14 NAT/PT/001081) e outros anteriores, como o projeto MOVE da Universidade de Évora. Trata-se de um guião que aponta à disseminação e divulgação de aspetos básicos ou introdutórios relativos à implementação de um plano de monitorização de fauna atropelada, sendo direcionado sobretudo a atores nas áreas de monitorização ambiental, agentes camarários ou de governança local, ou cidadãos sensibilizados. Pretende-se desta forma fornecer as bases essenciais para que, através da adoção de Boas Práticas na monitorização e registo de fauna por atropelamento, se possa contribuir para o desenvolvimento de esforços na mitigação de mortalidade e prevenção na segurança rodoviária, desde uma escala local a nacional.


Descarregue aqui o Guião de Boas Práticas para Monitorização e Registo de Dados de Mortalidade de Fauna por Atropelamento.

A proliferação de infraestruturas lineares constitui uma das principais causas de fragmentação e de perda de habitats naturais. Adicionalmente, constitui um meio privilegiado para a introdução e disseminação de espécies de flora exótica invasora. É, portanto, essencial gerir as zonas verdes marginais associadas às infraestruturas lineares como áreas destinadas à conservação de biodiversidade. Para tal, é necessário arranjar soluções que conciliem a existência das infraestruturas lineares com a conservação da natureza, especialmente em áreas onde as paisagens naturais ou seminaturais estão degradadas e em declínio devido à intensificação do uso do solo por atividades humanas.

O presente guião de boas práticas tem por base a experiência adquirida ao longo do projeto LIFE LINES (LIFE14 NAT/PT/001081), pretendendo reunir e divulgar procedimentos recomendáveis para a gestão da biodiversidade, com ênfase na diversidade vegetal das zonas marginais associadas às infraestruturas lineares, e focando-se, sobretudo, em estradas nacionais, ferrovias desativadas com uso recreativo (ecopistas) e linhas elétricas de muito alta tensão.

O guião inclui informação técnica dirigida às entidades gestoras de estradas, caminhos pedestres e de linhas de muito alta tensão (concessionárias, autarquias), a responsáveis pela Avaliação de Impacte Ambiental de infraestruturas lineares (Agência Portuguesa do Ambiente, Instituto de Conservação da Natureza e Florestas), a técnicos da área do paisagismo e operações agroflorestais, bem como informação dirigida ao público em geral.


Descarregue aqui o Guião de de Boas Práticas de Gestão da Vegetação para a Promoção e Biodiversidade em Infraestruturas Lineares.